OS PINGOS NOS "IS" | POEMS AND POETRY | SAHIFAT ASSALAM QATAR 

Eduardo Ruman (In Memoriam)
Diretor-Presidente
Administrativo e Empreendedor
Denise Ruman
MTB - 0086489
JORNALISTA RESPONSÁVEL
The Biggest and Best International Newspaper for World Peace
BRANCH OFFICE OF THE NEWSPAPER "PACIFIST JOURNAL" in QATAR
Founder, President And International General Chief-Director / Founder, President And International General Chief-Director :  Denise Ruman - MTB: 0086489 / SP-BRAZIL
Local Chief-Director - Qatar / Local Chief-Director - Qatar :  SHAMIM AHMED
Mentor of the Newspaper / Mentor of the Newspaper  :  José Cardoso Salvador (in memoriam)
Mentor-Director / Mentor-Director  :  Mahavátar Babají (in memoriam)

Poemas e Poesias / 24/08/2020


OS PINGOS NOS "IS"

0 votes


OS PINGOS NOS "IS"

- Menino, já foi fazer o que eu te mandei? - Já, já eu lhe ensino o “B, A, BÁ”, num instante você obedece! - Quero tudo explicado, “Tim, Tim, por Tim”! - Cheguei para botar ordem e agora vamos botar “os pingos nos is”! - Eu quero saber qual é o “X” da questão!

Cresci ouvindo essas poderosas expressões populares, ditas pelas mães e pais de famílias, que circundavam o ambiente da minha geração. Com o objetivo de educar seus filhos no caminho do bem, verbalizavam estas simples expressões, porém surtiam um expressivo efeito educativo nos filhos. Estes cresciam numa vida equilibrada, tanto no convívio familiar como no desempenho na escola. Quando havia desavenças de qualquer natureza num desses santuários, na escola ou no meio familiar, termos semelhantes, serviam para julgar as causas logo na primeira instância na “Poderosa Vara da Infância e da Juventude”, tendo a mãe por juíza, que aplicava com eficiência as lições educativas. As letras estavam sempre presentes. As palavras ou frases educativas eram feitas em separações silábicas, soletradas separadamente cada sílaba por uma chinelada no bum bum. Por exemplo, uma simples frase: (Eu já lhe disse pra não fazer isso!), era dito pela mãe como se fosse uma aula de gramática assim: (Eu – Já – lhe – dis – se – pra – não – fa – zer – is – so)!

Não quero com isso fazer apologia às severas correções desconcertantes feitas as crianças, ou agressão de qualquer natureza. Até porque sou um defensor da Paz e dos Direitos Humanos. Porém devemos considerar que a geração que recebeu esse tipo de orientação, com as letras em palavras bem aplicadas, não apresentou distúrbios como frustrações, perturbações mentais, desvio de conduta, crises suicidas, nem dupla personalidade. Estas observações nos leva a crer, nem que seja de forma irônica, que as letras em expressões verbais, quando bem ensinadas, de forma pausadamente, surtem um positivo efeito na vida do ser humano.

Afirmo com todas as letras, que se por diversas vezes, não tivesse eu assistido mesmo que forçadamente, ao espetáculo produzido pela minha mãe, não seria eu o homem que hoje sou. Ela era uma talentosa atriz com traço de super-herói. Cenas marcantes ficaram gravadas para sempre na minha memória. Como por exemplo, por diversas vezes vi a mesma, ajustando o pano amarrado em sua cabeça, um pé na sandália e outro descalço, enquanto segurava habilidosamente a sandália na outra mão, imitando um ventilador, abanando a minha cara, ela dizia a seguinte expressão: “Olhe aqui pra você, se fizer de novo”! Se referindo a alguma desobediência que eu havia feito. Estas expressões foram como uma perpétua vacina contra o desvio de personalidade.

A história mostra o estrondoso poder das letras, na construção dos valores éticos e morais da humanidade. Como também, tornando possível a evolução da ciência, através das novas descobertas e as grandes invenções. Estas tem dado ênfase as artes, fazendo alcançar um alto e encantador patamar. A esse avanço, permanece atrelado o poder delas “AS LETRAS”. As quais se unem através de um mágico formato, dando origem as palavras. Estas que por sua vez, são poderosas em possibilidades. São as palavras o fundamento de cada idioma falado. Por elas aprendemos as primeiras pronúncias do ensinamento. Segundo as Escrituras sagradas, pela Palavra, foram criadas todas as coisas e por Ela, as coisas efêmeras chegam ao fim.

Entre um gênio e outro, que seja um da Ciência, como Thomas Alva Edson que criou a lâmpada, seja da Arte como o Gênio da lâmpada de Aladim, do clássico da literatura árabe traduzido pelo escritor e orientalista francês Antoine Galland, estão ali a forte presença das letras, narrando os marcantes momentos através do encantamento das palavras.

Desde a ética pedagógica de Aristóteles na Grécia antiga, que trilha os caminhos da educação, até a tolerância da liberdade de expressão, do francês Voltaire, que trafega na mesma estrada, o paladino poder das palavras, na ordem que as letras se enquadram dependendo da língua.

Desde os mistérios do mais longínquo multiverso até a clareza das revelações presentes, aí estão elas magníficas, deslumbrantes e esclarecedoras “As letras”.

Na Paraíba o Governo do Estado lançou no ano de 2015 um projeto denominado “O Agosto das Letras”. O evento acontece durante o mês de agosto e a cada ano vem crescendo de forma considerável.

Trata-se de um evento literário, um Festival de Leitura na Paraíba que tem como objetivo a congregação de leitores, profissionais e estudantes em torno de temas relacionados ao livro, leitura e literatura.

O órgão responsável por este grandioso evento literário, é a Biblioteca Juarez da Gama Batista, com instalações na Fundação Espaço Cultural da Paraíba. O evento tem abrangência por todo o estado e durante essa jornada, o evento tem se aperfeiçoado e se aprimorando, para manter a identidade do povo paraibano. Tem como responsável desde 2015, a Bibliotecária Tatiana Cavalcante, Gerente Executiva de Educação Cultural da Fundação Espaço Cultural da Paraíba, que a cada ano tem abrilhantado com inovações e ampliado a adesão do público participante.

A cada ano, o evento é aplicado de diferentes formatos. Em 2018, o evento se torna o primeiro e único projeto literário no Estado da Paraíba que percorre os municípios do Estado, incentivando a literatura em diversas formas de linguagem. Levando apresentações, as comunidades carentes até as escolas privadas. Descobrindo novos escritores, novas obras e transformando (crianças, jovens e adultos), em leitores e críticos sob diferentes pontos de vista.

No Agosto das Letras várias personalidades do mundo literário foram homenageadas. Entre elas: Maria Valéria Rezende (2016), Sérgio de Castro Pinto (2017), Anayde Beiriz (2018), Ariano Suassuna (2019) e Lourdes Ramalho (2020). A cada ano são contemplados no estado diferentes Municípios para uma mais intensa participação.

Os objetivos específicos levar a população: realizações de oficinas de arte literária; promoção de feira de livreiros; realização de palestras em torno do livro, leitura e literatura; promoção de conotações de histórias; promoção de exposições de ilustradores; performances poéticas e lançamento de livros na cidade de João Pessoa e outros Municípios da Paraíba.

O projeto tem a participação de grandes instituições da área cultural, a exemplo da Academia de Cordel do Vale do Paraíba ACVPB, que tem participado desde o ano 2015, com exposições de obras literárias, oficinas de literatura de cordel, saraus, lançamentos de livros, mesas redondas e outros formatos. A ACVPB, da qual que sou membro efetivo, e tem como Presidente o Poeta Marconi Araújo, que tem prestado um trabalho espantosamente eficiente na área cultural, dando expansão ao cordel durante toda a sua gestão. Tendo esta Academia, participado todos os anos desse projeto, este ano de 2020, fez um grande sarau para a homenageada que foi a poetisa, escritora, dramaturga e professora Lurdes Ramalho. O feito foi realizado no dia 21/08/2020 as 19h40, sexta-feira. Exibido no link youtube.com/funescppbgov. No momento cada poeta participante declamou os poemas feitos em para a homenageada. Um dos poemas que fiz e declamei no momento foi o que se segue.

---

HOMENAGEM A LOURDES RAMALHO

Maria de Lourdes Nunes

Ramalho por sobre nome

Revestiu este cerome

Com verdadeiro benunes

Expressou como saldunes

Este valor faraó

Que o Jardim do Seridó

Nos deu bela flor tão forte

E o Rio Grande do Norte

Foi seu grande portaló.

Fez grande jura de amor

Expressando a arte pura

Amou a literatura

Dando a poética o valor

Na dramaturgia a cor

Que na educação se expande

Plantou em Campina Grande

Seus valores a granel

Pondo o teatro em cordel

E o mundo foi seu estande.

Sua obra se destaca

FOGO-FÁTUO foi de mais

AS VELHAS foram reais

A FEIRA o porto que atraca

Pois no drama sua marca

ROMANCE CONQUISTADOR

TEATRO INFANTIL vapor

FLOR DE CACTO em doçuras

RAÍZES IBÉRICAS puras

MOURAS E JUDAICAS na dor.

Por fim, na odisseia da vida, há sempre uma estrada onde AS LETRAS continuam sinalizando o nosso destino.

João Pessoa 24 de agosto de 2020.

Antonio Joaquim Alves (Thiago Alves.)
Embaixador da Paz Paraíba.

Agente do WBI / WPO

Embaixador Celso Dias
Presidente da WPO


Comentários
0 comentários


  • Enviar Comentário
    Para Enviar Comentários é Necessário estar Logado.
    Clique Aqui para Entrar ou Clique Aqui para se Cadastrar.


Ainda não Foram Enviados Comentários!


Copyright 2021 - Jornal Pacifista - All rights reserved. powered by WEB4BUSINESS

Inglês Português Frances Italiano Alemão Espanhol Árabe Bengali Urdu Esperanto Croata Chinês Coreano Grego Hebraico Japonês Hungaro Latim Persa Polonês Romeno Vietnamita Swedish Thai Czech Hindi Você